MISSAL ROMANO EM PORTUGUES PDF

After various liturgical situations, St. In a new liturgy was issued on the model of the Roman missal , but with considerable modifications. The Roman missal and the Roman pontifical have been revised several times over the centuries. According to the present rules in the Roman Missal , Saint Christina may be celebrated with a "memorial" everywhere on her feast day, unless in some locality an obligatory celebration is assigned to that day.

Author:Akinole Morn
Country:Serbia
Language:English (Spanish)
Genre:Sex
Published (Last):1 February 2004
Pages:379
PDF File Size:1.56 Mb
ePub File Size:2.44 Mb
ISBN:699-2-91758-705-2
Downloads:92037
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Mekora



Tambm se deve guardar, nos momentos devidos, o silncio sagrado, como parte da celebrao. Assim, no acto penitencial e a seguir ao convite orao, o silncio destina-se ao recolhimento interior; a seguir s leituras ou homilia, para uma breve meditao sobre o que se ouviu; depois da Comunho, favorece a orao interior de louvor e aco de graas. Tudo o que precede a liturgia da palavra entrada, saudao, acto penitencial, Krie elison Senhor, tende piedade de ns , Gl- S. Agostinho, Sermo , 1: PL 38, Musicam sacram, 5 de Maro de , nn.

Missale Romanum, Ordo cantus Missae, ed. II, Const. Sacrosanctum Concilium, n. Inter Oecumenici, 26 de Setembro de , n. Musicam sacram, 5 de Maro de , n. Sacrosanctum concilium, n. A finalidade destes ritos estabelecer a comunho entre os fiis reunidos e disp-los para ouvirem a palavra de Deus e celebrarem dignamente a Eucaristia. Reunido o povo, enquanto entra o sacerdote com os ministros, inicia-se o cntico de entrada. A finalidade deste cntico dar incio celebrao, favorecer a unio dos fiis reunidos e introduzi-los no mistrio do tempo litrgico ou da festa, e ao mesmo tempo acompanhar a procisso de entrada do sacerdote e dos ministros.

O cntico de entrada executado alternadamente pela schola e pelo povo, ou por um cantor alternando com o povo, ou por toda a assembleia em conjunto, ou somente pela schola. Pode utilizar-se ou a antfona com o respectivo salmo que vem no Gradual Romano ou no Gradual Simples, ou outro cntico apropriado aco sagrada ou ao carcter do dia ou do tempo, desde que o texto tenha a aprovao da Conferncia Episcopal.

Se no h cntico de entrada, recita-se a antfona que vem no Missal, ou por todos os fiis, ou por um grupo, ou por um leitor; ou ento pelo prprio sacerdote a seguir saudao. Saudao do altar e da assembleia Chegados ao presbitrio, o sacerdote e os ministros sadam o altar.

Em sinal de venerao, o sacerdote e o dicono beijam o altar; e, conforme as circunstncias, o sacerdote incensa-o. Depois da saudao, o sacerdote, ou outro ministro idneo, faz aos fiis uma brevssima introduo Missa do dia. Em seguida, o sacerdote convida ao acto penitencial.

Este constitudo pela confisso geral dos pecados feita por toda a comunidade e termina com a absolvio dada pelo sacerdote. Krie Senhor, tende piedade de ns A seguir ao acto penitencial, entoa-se o Krie, elison Senhor, tende piedade de ns , a no ser que j tenha feito parte do acto penitencial. Dado tratar-se de um canto em que os fiis aclamam o Senhor e imploram a sua misericrdia, normalmente executado por todos, em forma alternada entre o povo e a schola ou um cantor. Cada uma das aclamaes diz-se normalmente duas vezes, o que no exclui a possibilidade de as repetir maior nmero de vezes, ou at de lhes intercalar um breve tropo, de acordo com a ndole de cada lngua, da arte musical ou das circunstncias.

Se no for cantado, o Krie recitado. O Glria um antiqussimo e venervel hino com que a Igreja, congregada no Esprito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro.

Se no cantado, recitado por todos em conjunto ou alternadamente. Canta-se ou recita-se aos domingos fora do Advento e da Quaresma , nas solenidades e festas, bem como em celebraes mais solenes. Orao colecta Terminado o cntico de entrada, o sacerdote e toda a assembleia benzem-se com o sinal da cruz.

Em seguida, o sacerdote dirige uma saudao comunidade reunida, exprimindo a presena do Senhor. Com esta saudao e a resposta do povo manifesta-se o mistrio da Igreja reunida.

Seguidamente, o sacerdote convida o povo orao; e todos, juntamente com ele, se recolhem uns momentos em silncio, a fim de tomarem conscincia de que se encontram na presena de Deus e formularem interiormente as suas intenes.

Depois o sacerdote diz a orao cha- 28 mada colecta. O povo associa-se a esta splica e faz sua a orao, dando o seu assentimento expresso pela aclamao Amen. Na Missa diz-se uma s orao colecta. A mesma norma se aplica igualmente orao sobre as oblatas e orao depois de comunho. A orao sobre as oblatas e a orao depois da comunho terminam sempre com a concluso breve: se so dirigidas ao Pai: Per Christum Dominum nostrum; se so dirigidas ao Pai, mas no fim mencionado o Filho: Qui vivit et regnat in saecula saeculorum; se so dirigidas ao Filho: Qui vivis et regnas in saecula saeculorum.

Assim alimentado com a palavra divina, eleva a Deus as suas preces na orao universal pelas necessidades de toda a Igreja e pela salvao do mundo inteiro. Nas leituras pe-se aos fiis a mesa da palavra de Deus e abrem-se-lhes os tesouros da Bblia.

Por conseguinte, convm que a leitura do Evangelho seja feita normalmente pelo dicono ou, na falta deste, por um sacerdote distinto do sacerdote que preside; as outras leituras so confiadas ao leitor.

Na falta do dicono ou de outro sacerdote, o Evangelho lido pelo prprio sacerdote celebrante. A proclamao do Evangelho deve ser acompanhada com a maior venerao. Assim o mostra a prpria Liturgia, distinguindo esta leitura com honras especiais, quer por parte do ministro encarregado de a anunciar e pela bno e orao com que se prepara para o fazer, quer por parte dos fiis que, com as suas aclamaes, reconhecem e confessam que Cristo presente no meio deles quem lhes fala, e por isso escutam a leitura de p; quer ainda pelos sinais de reverncia ao prprio livro dos Evangelhos.

Cnticos intercalares A parte principal da liturgia da palavra constituda pelas leituras da Sagrada Escritura com os cnticos intercalares. So seu desenvolvimento e concluso a homilia, a profisso de f e a orao universal ou orao dos fiis. Nas leituras, comentadas pela homilia, Deus fala ao seu povo,31 revela-lhe o mistrio da redeno e salvao e oferece-lhe o alimento.

DIANE KOVACQ PDF

Missal Romano: Liturgia Católica Diária

.

5 PERCENTERS 120 LESSONS PDF

Tradução de "missal romano" em inglês

.

HANDBOEK NAAITECHNIEKEN PDF

Missal Romano.pdf

.

HVX200 BEDIENUNGSANLEITUNG PDF

.

Related Articles